Aula Records edita álbum tributo que inclui obras inéditas de Guillermo Rifo | Artes e Cultura

Publicidade

O álbum inclui músicas de Diego Aburto, Julio Hernaiz e Pablo Espinoza, além de uma peça do falecido compositor Guillermo Rifo, gravada pelo Philharmonic Ensemble. A obra, editada em formato digital e vinil, será apresentada durante o concerto que a Orquestra Usach fará na quarta-feira, dia 24 de maio, no Teatro Aula Magna.

O vibrafone foi o principal instrumento durante os 76 anos de vida de Guillermo Rifo (1945-2022). O famoso percussionista, compositor, arranjador e maestro conheceu-o na juventude e posteriormente explorou todas as suas possibilidades sonoras. Em grupos como Hindemith 76 e Latinomusicaviva, e em seus arranjos e música de câmara, ele foi um elemento essencial para seu cruzamento único entre música popular e tradição escrita.

O vibrafone também é protagonista em obras de Guillermo Rifo até agora inéditas. Um deles é intitulado Capítulos, para vibrafone e conjunto de cordas, e foi encomendado pelo Ensemble Filarmónico, que o estreou em Outubro de 2013 na temporada Domingos Musicales do Teatro Municipal de Santiago. Dedicado a Carlos Vera Larrucea, virtuoso vibrafonista chileno radicado na Alemanha, é como uma síntese de os territórios que Rifo percorreu ao longo da sua carreira: música contemporânea, jazz e raízes folclóricas.

nova transição

Uma década depois de sua estreia, a gravação ao vivo de Capítulos é a peça mais marcante de Nueva Transition, o novo álbum da gravadora Aula Records, o primeiro a ser editado em homenagem a Guillermo Rifo pouco mais de um ano após sua morte.

A obra estará disponível a partir de quarta-feira, 24 de maio, em formato digital e vinil. Inclui ainda outras três peças que utilizam o instrumento: Detonated No. 2, para vibrafone e piano, de Julio Hernaiz (1990); Árvores gigantes, para vibrafone solo, de Pablo Espinoza (1995); e Nova transição, para vibrafone, piano e orquestra, de Diego Aburto (1978).

Nova transição, para vibrafone, piano e orquestra foi gravada pela Orquestra Usach e fará parte do concerto gratuito que o grupo fará na quarta-feira, 24, às 19h30, no Teatro Aula Magna Usach.

Interpretação

A obra será interpretada pelo próprio Diego Aburto ao piano e com Marcelo Stuart, percussionista solista da orquestra, ao vibrafone. No início do programa, Pablo Espinoza também apresentará ao vivo seu Giant Trees.

Os ingressos são gratuitos e estão disponíveis neste link.

“Este disco é o resultado de uma juventude que homenageia um grande mestre de música do Chile. Não se pode dizer que Guillermo Rifo foi apenas um percussionista, pois foi um compositor, educador, pesquisador e gestor cultural, embora esse termo ainda não fosse utilizado em sua época”, afirma Marcelo Stuardo, produtor musical do Nueva Transición.

“Os três compositores que entregaram obras vêm da música popular e todos nós temos uma ligação com o maestro Rifo, porque foi ele quem estabeleceu o ensino da música popular na academia. Direta ou indiretamente, todos somos influenciados por seu legado.”, diz referindo-se à criação da cadeira de percussão na Pontifícia Universidade Católica e à direcção durante quase três décadas da Escola Moderna de Música. Segundo Stuart, “tem um valor especial” que a homenagem não inclua apenas criações de Guillermo Rifo: “Todos eles têm aquele cruzamento entre música clássica e popular que o professor teria adorado. Se tivesse ouvido este disco, não tenho dúvidas de que sentiria um orgulho especial por ter mais do que apenas as suas criações”.

Um vibrafone em movimento

A capa e arte de Nueva Transition foram criadas por Natalia Mejías (1989), que fez a curadoria de todo o catálogo da Aula Records e já havia trabalhado diretamente em dois álbuns da Orquestra de Usach: Viaje a la Luna (2019) e Enrique Soro, o último dos românticos (2022), além de uma nova capa para a reedição digital The Art of Variation (1993), da Syntagma Musicum Usach.

Nesse caso, ele usou apenas ferramentas digitais: “A imagem central é composta por cilindros que simulam os ressonadores do vibrafone. Cada um é colorido com um degradê em tons de azul, azul claro e bege. Depois, montei essa estrutura duas vezes e coloquei no sentido contrário, para evocar a forma de onda do som”, descreve na capa, desenvolvida com o programa PowerPoint.

nova transição
cedido

“Como o vibrafone é o centro do álbum, fiz dele o protagonista. Esteticamente, a arte é inspirada em discos de jazz, porque também há algum jazz em cada uma dessas obras. Por outro lado, o uso de gradientes é muito importante no meu trabalho. Enriquece uma figura plana, dá-lhe profundidade, perspetiva e, neste caso, volume. O degradê sempre significou movimento para mim e está relacionado à palavra transição, com mudança e movimento”, completa. No caso da edição digital, esse link será literal: a capa terá uma animação que pode ser vista nas plataformas de streaming.

Nova transição será apresentada no concerto que a Orquestra Usach oferecerá no dia 24 de maio (19h30) no Teatro Aula Magna Usach.

Ingressos gratuitos neste link.

Popular