Câmara inicia debate sobre projeto que reajusta salário mínimo e estende subsídio temporário a MPMEs | Economia

Publicidade

Nesta quarta-feira teve início a sessão na Câmara dos Deputados onde será discutido e votado o projeto que reajusta o valor da renda mínima mensal e que estende o subsídio temporário às MPMEs.

A partir das 10h desta quarta-feira, a Câmara dos Deputados iniciou a sessão em que vai discutir e votar o projeto de lei que reajusta gradualmente o salário mínimo para US$ 500.000.

A iniciativa reajusta o valor da renda mínima mensal, amplia o universo de beneficiários do Abono Família e Maternidade e estende a renda mínima garantida e o subsídio temporário às MPMEs.

Na instância, os deputados Boris Barrera (PC), Ximena Ossandón (RN) e Raúl Soto (PPD), leram e entregaram os relatórios das comissões do Trabalho, Economia e Finanças, respetivamente.

Salário mínimo

De referir que ontem os deputados da Comissão das Finanças enviaram à Câmara o projeto que reajusta o valor do Rendimento Mínimo Mensal (IMM).
Após amplo debate na Comissão Econômica, a iniciativa seguiu tramitando nesta terceira instância legislativa.

Nesta comissão, expuseram mais uma vez diferentes representantes dos sindicatos de MPMEs e trabalhadores. Da mesma forma, os representantes do Poder Executivo que apresentaram o projeto nas instâncias parlamentares anteriores também o fizeram.

Em particular, o Ministro das Finanças, Mário Marcel, acrescentou ao debate os custos que a implementação desta norma implica para o Estado.

De acordo com o relatório financeiro, o custo estimado para o conjunto de medidas contempladas pelo projeto em 2023 está próximo de US$ 169 bilhões. Essa cifra aumenta para US$ 310 bilhões em 2024. Já em 2025, a soma sobe para US$ 132 bilhões. Tudo isso em um cenário econômico favorável; Caso contrário, contempla-se um aumento extra de US$ 40 bilhões no próximo ano e US$ 30 bilhões até 2025.

A isto acresce uma menor receita fiscal de cerca de 500 mil milhões de dólares devido ao prolongamento até dezembro de 2023 da taxa de imposto da primeira categoria em 10%, para empresas abrangidas pelo regime geral Pro PME.

reajuste salarial

Diferentemente da Comissão Econômica, os deputados da Fazenda aprovaram os valores e prazos do aumento da renda mínima. A proposta do Governo teve 9 votos a favor, 4 contra e uma abstenção.

Assim, defendeu-se que, a partir de 1 de maio de 2023, o IMM seja elevado para $ 440.000 para trabalhadores maiores de 18 anos e até 65 anos. Então, a partir de 1º de setembro de 2023, sobe para $ 460.000, para subir novamente, a partir de 1º de julho de 2024, para $ 500.000, para o mesmo grupo.

A par disso, apoiaram as regras ligadas às medidas de apoio às PME. Da mesma forma, os recursos destinados ao abono de família e maternidade do Regime Único de Prestações Familiares.

Os parlamentares da UDI, RN e do Partido Republicano insistiram em rejeitar a proposta do Governo. Aqui eles levantaram a necessidade de o Executivo fazer um novo acordo com as MPMEs que não estão satisfeitas com o projeto atual.

Diante disso, a ministra do Trabalho, Jeannette Jara, criticou o pedido de “unanimidade das PME” ou “permissão aos empregadores” para aumentar a renda mínima.

O secretário de Estado enfatizou que a rejeição do projeto “vai afetar a vida das pessoas”. Nesse sentido, acrescentou que “as disputas políticas não podem ser feitas à custa dos trabalhadores do país”.

Popular