CChC Concepción: “É preciso melhorar a divulgação do Fundo de Garantia do Estado e alargar prazos” | Economia

Publicidade

A feira imobiliária Finco, realizada em Concepción, teve 6.000 participantes e 5.747 anúncios. Uma pesquisa mostrou que havia um desconhecimento público sobre o Fundo de Garantia do Estado (Fogaes) para a compra da primeira casa.

Depois de três anos, o Finco 2023 feira imobiliáriaorganizado pela Câmara Chilena de Construção (CChC) de Concepciónvoltou ao presencial e o fez com grande número de visitantes, entre sexta-feira, 12, e domingo, 14 de maio, na região do Bío Bío.

Eram mais de 6 mil pessoas que veio à SurActivo, na Gran Concepción, em busca de uma oferta de moradia. 69% deles vieram com o sonho de adquirir uma casa para morar nela permanentemente. O restante o fez para investir em um imóvel, segundo pesquisa de percepção aplicada ao final do evento.

“82% do público encontrou o que esperava ou mais do que esperava nesta Finco e isso nos deixa felizes, pois entendemos que estamos em um cenário econômico complexo. Isso nos obriga, como sindicato, a estar à altura das necessidades das pessoas e a adequar o nosso stock”, destacou. Bernardo Suazo, presidente da Câmara Chilena de Construção de Concepción.

O instrumento aplicado também coletou outros aspectos relevantes. Entre eles, 88% dos participantes esperavam comprar uma casa com valor inferior a 3.000 UF e um em cada quatro visitantes esperava formalizar a compra usando o Fundo de Garantia do Estado (Fogaes).

Nesse sentido, o CChC Concepción considera que existe um desconhecimento por parte da população sobre esse benefício estatal, que auxilia na compra da primeira casa.

“Acreditamos ser necessário continuar a reforçar a divulgação do Fogaes e pedimos ao Governo que alargue o prazo de acesso a este fundo estatal, que permite às famílias aceder à sua primeira habitação com um pé de apenas 10%, já que os restantes 10% são exigido pelo banco, é garantido pelo Estado”, afirmou Suazo.

E acrescentou que “como sindicato, vimos uma incipiente reativação do setor e, sem dúvida, esse benefício abrirá uma janela para milhares de famílias que planejam comprar sua casa ou apartamento. Portanto, o urgência em prorrogá-lo por mais dois anos”.

O dirigente sindical especificou ainda que metade dos participantes citou entre dois e quatro empreendimentos imobiliários. Por sua vez, as empresas participantes informaram um total de 5.747 contribuições realizadas.

Lembremos que, ao todo, as 29 empresas expositoras da Finco colocaram à disposição dos visitantes 95 empreendimentos habitacionais, totalizando mais de 6.300 unidades, desde a região do Maule até o Bío Bío, cujos valores de vendas oscilaram entre 1.300 e 12.000 UF .

Quanto à oferta potencialmente adquirível via Fogaes -compra sem subsídio, até 4.500 UF e entrega até abril de 2024-, esta correspondeu a um em cada quatro lares do total.

Popular