“De repente fico com raiva…”: Marcel lança contra o Congresso por “atrasar” reformas sociais | Economia

Publicidade

“Atrasar tanto é abusar da paciência dos cidadãos”, disse o chefe dos cofres da Fazenda, apontando para o Congresso e os entraves que têm surgido no andamento dos projetos que o Executivo busca promover.

O ministro das Finanças, Mário Marcelcriticou o Congresso nesta quinta-feira por “atrasar” o andamento de uma série de projetos que o Executivo busca promover.

“De repente eu fico com raiva. Demorar tanto é abusar da paciência do público.”disse ele em diálogo com a rádio Cooperativa.

O secretário de Estado defendeu que após o surto social surgiu uma série de reivindicações da opinião pública “que, no entanto, ainda não se materializaram, apesar de haver propostas e projetos”.

Nessa linha, ele apontou para o Congresso, aludindo indiretamente à “vontade de dialogar”.

“(Você tem) que pensar nas pessoas e talvez tornar mais visíveis os benefícios que uma determinada legislação tem para elas”, disse.

Nesse mesmo contexto, o chefe dos cofres fiscais lembrou quando a Câmara dos Deputados rejeitou a ideia de legislar o reforma tributária.

Ele admitiu à referida estação que “talvez uma falta” que as discussões sobre este projeto tiveram foi não enfatizar cuidadosamente “o que se queria financiar”.

“Com essa mesma lógica queremos apelar a todos os sectores políticos para um diálogo concreto sobre a reforma”, disse, lembrando que vão continuar a trabalhar para que esta reforma veja a luz do dia.

Popular