Ministro Mário Marcel se refere ao “projeto alternativo” para o Isapres

Publicidade

O projeto alternativo, mais do que emitir uma sentença, propõe permitir ou não o cumprimento da decisão? As decisões têm de ser cumpridas”, disse o ministro da Fazenda, Mario Marcel, durante a sessão desta terça-feira sobre a situação enfrentada pelo Isapres.

“Devemos cumprir a decisão do Supremo Tribunal mas sem comprometer a viabilidade financeira do Isapres, por isso apresentamos o nosso projeto”, disse terça-feira o ministro das Finanças, Mario Marcel.

O ministro referiu-se ao apelo “projeto paralelo” para o Isapres, o que permitiria que eles saldassem a dívida e não caíssem no processo.

Lembremos que o Comitê de Constituição do Senado aprovou em geral um projeto de reforma constitucional que permite ao Isapres Pague sua dívida com benefícios de saúde.

La Moneda manifestou sua negativa à moção e garantiu que -com isso- o eixo principal da decisão do Supremo Tribunal Federal seria anulado.

“Há uma proposta do Executivo cujo objetivo é fazer cumprir a decisão do STF. Isso, mas de uma forma que não comprometa a viabilidade financeira do Isapres”, comentou a autoridade em nota.

“Para isso, prevê-se que cada Isapre tenha um plano de pagamentos que seja acompanhado de medidas do lado da sua gestão e das suas receitas”, acrescentou.

E prosseguiu: “Isto, para que estes pagamentos sejam equacionados dentro dos prazos em que cada um deles estabeleça, perante uma comissão técnica que o aprove”.

“O que se propõe permite ou não cumprir a decisão do STF, porque as decisões judiciais devem ser cumpridas”, afirmou.

Primeiramente, os isapres terão 6 meses para elaborar planos de pagamento de dívidas que devem conter o número de contratos que serão quitados. O acima, além do valor para cada cliente afetado.

Em seguida, será criado um conselho consultivo que trabalhará com a Superintendência de Saúde para revisar – também em um prazo de 6 meses – a proposta.

Popular