obesidade acelera perda de eficácia da vacina

Publicidade

A proteção oferecida pela vacinação contra a Covid-19 diminui mais rapidamente em pessoas com obesidade grave do que naquelas com peso normal, descobriram cientistas das Universidades de Cambridge e Edimburgo.

O estudo sugere que as pessoas com obesidade provavelmente precisam de doses de reforço mais frequentes para manter sua imunidade.

Leia mais:

Ensaios clínicos mostraram que as vacinas contra a Covid-19 são altamente eficazes na redução de sintomas, hospitalização e mortes causadas pelo vírus, inclusive para pessoas com obesidade.

Estudos anteriores sugeriram que os níveis de anticorpos podem ser mais baixos em pessoas vacinadas com obesidade e que podem permanecer em maior risco de doença grave do que pessoas vacinadas com peso normal. As razões para isso, no entanto, permaneceram obscuras.

O estudo desta segunda-feira (15), publicado na revista Nature Medicine, mostra que a capacidade dos anticorpos de neutralizar o vírus diminui mais rapidamente em pessoas vacinadas obesas. As descobertas têm implicações importantes para as políticas de priorização de vacinas em todo o mundo.

Durante a pandemia, as pessoas com obesidade tinham maior probabilidade de serem hospitalizadas, necessitar de ventiladores e morrer de Covid-19. Neste estudo, os pesquisadores começaram a investigar até que ponto duas das vacinas mais usadas protegem as pessoas com nessas circunstâncias em comparação com aquelas com peso normal, ao longo do tempo.

Uma equipe da Universidade de Edimburgo, liderada pelo professor Sir Aziz Sheikh, analisou dados em tempo real, que acompanham a saúde de 3,5 milhões de pessoas da população escocesa como parte do estudo EAVE II. Eles analisaram a hospitalização e a mortalidade por Covid-19 em adultos que receberam duas doses da vacina contra a enfermidade (Pfizer-BioNTech, BNT162b2 mRNA ou AstraZeneca ChAdOx1).

Eles descobriram que pessoas com obesidade grave (IMC superior a 40 kg/m²) tinham risco 76% maior de resultados graves de Covid-19, em comparação com aquelas com IMC normal.

Um aumento modesto no risco também foi observado em pessoas com obesidade (30–39,9 kg/m²), que afeta um quarto da população do Reino Unido, e naqueles com baixo peso.

“Infecções irrisórias” após a segunda dose da vacina também levaram à hospitalização e morte mais cedo (a partir de dez semanas) entre pessoas com obesidade grave e entre pessoas com obesidade (após 15 semanas) do que entre indivíduos com peso normal (após 20 semanas).

O professor Sir Aziz Sheikh disse: “Nossas descobertas demonstram que a proteção obtida por meio da vacinação contra Covid-19 cai mais rapidamente para pessoas com obesidade grave do que aquelas com índice de massa corporal normal. O uso de ativos de dados em grande escala, como a plataforma EAVE II, na Escócia, nos permitiu gerar informações importantes e oportunas que permitem melhorias na entrega de calendários de vacinas de Covid-19 em um Reino Unido pós-pandêmico.”

A equipe da Universidade de Cambridge – liderada conjuntamente pelo Dr. James Thaventhiran, da Unidade de Toxicologia do MRC, e o Prof Sadaf Farooqi, do Wellcome-MRC Institute of Metabolic Science – estudou pessoas com obesidade grave atendidas no Addenbrooke’s Hospital em Cambridge e comparou o número e a função de células imunológicas em seu sangue para aqueles de pessoas com peso normal.

Eles estudaram as pessoas seis meses após a segunda dose da vacina e, em seguida, analisaram a resposta a uma terceira dose de vacina – o reforço – ao longo do tempo.

Os pesquisadores de Cambridge descobriram que, seis meses após segunda dose da vacina, pessoas com obesidade grave apresentavam níveis semelhantes de anticorpos para o vírus Covid-19 daqueles com peso normal.

Mas a capacidade desses anticorpos de trabalhar com eficiência para combater o vírus (conhecida como “capacidade de neutralização”) foi reduzida em pessoas com obesidade. 55% dos indivíduos com obesidade grave apresentaram “capacidade de neutralização” não quantificável ou indetectável, em comparação com 12% das pessoas com IMC normal.

“Este estudo enfatiza ainda mais que a obesidade altera a resposta à vacina e também afeta o risco de infecção”, disse a Dra. Agatha van der Klaauw, do Wellcome-MRC Institute of Metabolic Science e primeira autora do artigo. “Precisamos urgentemente entender como restaurar a função imunológica e minimizar esses riscos à saúde”.

Os pesquisadores descobriram que os anticorpos produzidos por pessoas com obesidade grave eram menos eficazes na neutralização do vírus SARS-CoV-2, possivelmente porque os anticorpos não foram capazes de se ligar ao vírus com a mesma força.

Quando recebeu a terceira dose (reforço) de uma vacina da Covid-19, a capacidade dos anticorpos de neutralizar o vírus foi restaurada nos grupos com peso normal e gravemente obesos.

Mas os pesquisadores descobriram que a imunidade novamente diminuiu mais rapidamente em pessoas com obesidade grave, colocando-as em maior risco de infecção com o tempo.

O Dr. James Thaventhiran, líder do grupo da Unidade de Toxicologia do MRC em Cambridge e coautor principal do estudo SCORPIO, disse: “É promissor ver que as vacinas de reforço restauram a eficácia dos anticorpos para pessoas com obesidade grave, mas é preocupante que seus níveis diminuem mais rapidamente, após apenas 15 semanas. Isso mostra que as vacinas funcionam bem em pessoas com obesidade, mas a proteção não dura tanto tempo.”

O professor Sadaf Farooqi, do Wellcome-MRC Institute of Metabolic Science e coautor principal do estudo SCORPIO, disse: “É provável serem necessárias doses de reforço mais frequentes para manter a proteção contra a Covid-19 em pessoas com obesidade. Devido à alta prevalência da obesidade em todo o mundo, isso representa grande desafio para os serviços de saúde”.

Com informações de Medical Xpress

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Popular