TikTok: perfis exploram usuários da Cracolândia

Publicidade

Com o boom das redes sociais e a incessante busca por visualizações, seguidores e dinheiro nessas plataformas, muitos usuários extrapolam a moralidade e o que é considerável por nossa sociedade para obter essas coisas.

Uma rede visada para isso é o TikTok, famosa por suas lives e vídeos – e influencers desesperados por tudo que citamos no primeiro parágrafo.

Leia mais:

E um caso recente chamo a atenção: um perfil, de nome Jasmine Carter, transmitia, ao vivo, de uma das várias janelas nas ruas que circundam a Cracolândia, em São Paulo (SP), um grupo de usuários de drogas presente no local.

Além disso, ela propagou fake news, ao afirmar que o governo possui auxílio chamado “Bolsa Crack de R$ 700 e pouco”. Também prometeu que, caso chegasse aos dez mil seguidores, jogaria moedas para o grupo. Alguns seguidores faziam piadas.

Porém, ela não alcançou seu objetivo e, de quebra, teve sua conta banida na quarta-feira (10), quando o conteúdo viralizou no Twitter. O vídeo em si rendeu 250 mil curtidas.

Entrei no TikTok à noite, bem na hora da live dela, peguei uma parte dela rindo dos usuários sob efeito de K9, e, depois, comemorando o tanto de visuzalizações. Saí com a sensação de ter visto um episódio muito triste de ‘Black Mirror’ [série de TV].

Comentário de um usuário do TikTok

A citação do usuário à série britânica de TV da Netflix, “Black Mirror”, calha, pois a produção aborda, em realidade distópica, aspectos sombrios da vida de seus personagens, sendo que, em muitas das vezes, o enredo de sofrimento é provocada pela tecnologia.

Outros casos

O perfil de Jasmine não está sozinho na exploração de tragédias por fama e dinheiro. Um motociclista filmou usuários na Cracolândia e a musicalizou com a canção “Ilusão (Cracolândia)”, de MC Hariel, além de comentar: “Cena apocalíptica”.

Foram 4,6 milhões de visualizações e 223 mil curtidas. Outra postagem similar foi postada em 30 de março e recebeu 6,8 milhões de visualizações, 223 mil curtidas e 5,3 mil comentários: “Não é um filme de zumbi, é a Cracolândia no Centro de São Paulo”, comentou.

Outro vídeo na plataforma mostra GCMs (Guardas Civis Metropolitanos) em ação de limpeza das ruas nas quais os usuários permanecem e dão vida à Cracolândia. Isso é algo rotineiro na vida dos policiais, mas quem postou o vídeo quis brincar com a situação. “Zumbis ladrões na Cracolândia”, escreveu. O registro é de 23 de abril, um domingo. São 5,6 milhões de visualizações, 146,9 mil curtidas e 1,2 mil comentários.

Remuneração

Recentemente, o TikTok passou a remunerar os criadores de conteúdo, porém, não se sabe quais os valores praticados pela plataforma. A maneira de isso ser feito é via apoio dos seguidores, que enviam “presentes virtuais” aos criadores de conteúdo, comprados com dinheiro real.

O usuário efetua a compra de moedas, que podem ser trocadas por figurinhas, que são os “Presentes virtuais”. O pacote mais barato de moedas custa R$ 0,90 e vem com 12.

No mundo, o TikTok possui cerca de um bilhão de usuários com contas ativas. No Brasil, porém, a rede não faz essa contabilização.

Violação dos direitos humanos

A vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Priscila Akemi Beltrame, há clara violação de direitos humanos nos conteúdos publicados na rede social sobre a Cracolândia. “A população vulnerável tem direito à privacidade”, alerta.

Outros especialistas em direitos humanos entendem haver possibilidade de dano moral mesmo após a retirada do conteúdo.

Esses vídeos banalizam a falta de humanidade e o caráter de fragilidade. O que a gente espera é que [os usuários] sejam tratados com dignidade pelo poder público e pela sociedade.

Priscila Akemi Beltrame, vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB

A OAB afirma que a desumanização dos dependentes químicos é tão banalizada, que está presente até em operações policiais, como a Operação Caronte (Caronte é um personagem da mitologia grega, barqueiro responsável por levar as almas dos recém-mortos ao inferno). Desde fevereiro, ela se chama Resgate.

Ações

Quanto a atitude do TikTok de remover o perfil de seus servidores, Ivo Correa, advogado e professor do Programa de Políticas Públicas do Insper, a elogiou, destacando que casos assim são mais óbvios, mas que há conteúdos disfarçados, como publicam o vídeo de uma coisa e falam de outra.

O advogado e professor chama esse limiar de “fronteira”, o grande desafio na hora de controlar o é publicado em redes sociais.

Há também toda uma indústria de como violar as regras de uma plataforma. As plataformas podem criar as regras que quiserem, mas qualquer pessoa pode discordar e pedir a remoção de conteúdo. As autoridades têm papel importante. Tem coisas que a plataforma pode fazer, mas tem coisas que só o Judiciário pode fazer.

Ivo Correa, advogado e professor do Programa de Políticas Públicas do Insper

Ele também comentou sobre a PL das Fake News e suas consequências nas redes sociais e big techs. “Isso gera problemas para elas, sobrecarrega a Justiça. Terrorismo, atentado à instituição democrática, isso as plataformas têm que remover imediatamente. É o que está em discussão no Congresso”, pontua.

Resposta do TikTok

Respondendo ao questionamento do g1, o TikTok alega que está comprometido “em defender a dignidade humana individual e garantir que nossa plataforma não seja usada para que se aproveitem de pessoas vulneráveis”.

Para moderar conteúdos, a plataforma detalha haver misto de denúncias, tecnologia e moderação humana. “A plataforma identifica, faz análise e derruba o perfil, em muitos casos o vídeo sequer sobe”, explica.

Leia abaixo a resposta completa do TikTok:

Nós levamos extremamente a sério a responsabilidade que temos em proteger a integridade da plataforma e da nossa comunidade, seguindo o compromisso de combater comportamentos de exploração humana. Estamos comprometidos em defender a dignidade humana individual e garantir que nossa plataforma não seja usada para que se aproveitem de pessoas vulneráveis, proibindo e removendo conteúdos que violem nossas Diretrizes da Comunidade sempre que identificados.

TikTok, em resposta ao g1

Com informações de g1

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Popular